“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” – Editorial

A frase inicia o discurso do presidente eleito Jair Messias Bolsonaro. Se há uma atividade que o ILUMINA tem buscado desde 1996, quando o instituto foi fundado, é tentar fazer com que a população brasileira conheça a verdade sobre o setor elétrico brasileiro. Até agora, ao contrário da profecia, a sociedade brasileira continua aprisionada em falsas crenças.

Eis aqui uma lista parcial dessas oclusas verdades:

  1. Desde a reforma que implantou o modelo de mercado e privatizações no setor elétrico em 1995, a tarifa se elevou muito acima da inflação.
  2. O setor elétrico já é de controle majoritariamente privado há mais de 5 anos em todas as etapas: geração, transmissão e distribuição.
  3. O mercado livre de eletricidade capturou para si as sobras de energia, as afluências favoráveis e o subsídio das usinas da Eletrobrás sendo obrigada a gerar sem contrato.
  4. O Brasil, sob um crescimento econômico modesto (2,5% a.a) necessita de 2.000 MW médios novos a cada ano. São duas usinas como Itumbiara por ano.
  5. O mercado livre, que hoje representa 30% do total, não fez contratos de longo prazo que suportam a construção de usinas. Pega “carona” nas obrigações que recaem sobre os outros consumidores.
  6. Grandes ganhos foram proporcionados entre os agentes do mercado livre que, ao contrário do que pode parecer, se supre do mesmo sistema que os outros consumidores. Comercializadores chegaram a ter rentabilidade de 80% em 2017.
  7. Para compensar o pouco interesse privado em investir independente do estado, a Eletrobrás foi obrigada a oferecer parcerias onde ela é minoritária e assume custos.
  8. O critério de garantia do sistema está deixando superdimensionada a capacidade de suprimento.
  9. A carga do sistema ultrapassou a garantia no período 2008 – 2013 e, se não fossem os investimentos da Eletrobrás e uma ajuda de São Pedro, nós poderíamos ter um racionamento.
  10. Entre os setores que mais pagaram dividendos a seus acionistas, o setor elétrico brasileiro desponta em segundo lugar, sendo, portanto, um excelente negócio.
  11. A intervenção tarifária aplicada pela medida provisória MP 579 do governo Dilma concentrou na Eletrobrás o esforço para tentar reduzir a tarifa. O setor privado ficou fora do alvo dessa política.
  12. Diversos motivos de aumento tarifário ficaram ausentes, inclusive encargos criados pela modelagem.
  13. A dose aplicada sobre a estatal foi exagerada e inútil, pois destruiu o seu já frágil equilíbrio financeiro e não reduziu a tarifa.
  14. Os reservatórios não conseguem ser enchidos há pelo menos 4 anos, mesmo com uma carga que se elevou apenas ligeiramente desde 2014.
  15. O consumidor tem sido castigado pelas bandeiras tarifárias que, ao contrário de que parecem com seu valor baixo, significam até 20% de aumento sobre a parcela de energia.
  16. A frágil situação fiscal do governo irá recair sobre o setor elétrico, pois os ativos a serem vendidos são da Eletrobrás.
  17. A empresa está sendo desmontada por dentro através de dispensa de pessoal sem critério e mesmo com os menores índices de empregado por MW instalado entre empresas semelhantes no mundo.
  18. Na década de 90, o país passou pela mesma situação. Vendeu 26 empresas do setor, siderurgia, telefonia, petroquímica, bancos e mineração. A dívida pública dobrou de tamanho e carga fiscal aumentou.
  19. Mesmo depois de tantas “verdades” desconhecidas, “esqueletos” de quase R$ 100 bilhões “dormem no armário” que será aberto em 2019.

Como se vê, a lista da verdade é longa e simplesmente desconhecida. Pedimos ao que discordam apontar a ausência da verdade em qualquer ponto da lista.

Pelas declarações dos futuros ministros do presidente eleito, há fortes indícios de que eles também “não serão libertos”.

Compartilhe

      2 comentários para ““Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” – Editorial

    1. pietro erber
      31 de outubro de 2018 at 17:56

      Muito bom e oportuno

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *