Eletrobras lança plano de demissão consensual para desligar 3.000 – Estadão

Análise do ILUMINA: Alguém conhece algum exemplo de uma empresa que vai ser vendida (ou privatizada) e que dispensa funcionários independente de suas funções e suas expertises? Aqui no Brasil tem! Age-se como se estivessem privatizando as usinas, linhas, subestações, paredes, mesas, computadores. Esses lugares e equipamentos serão ocupados pelos novos donos que, provavelmente, sequer falarão português.

Por incrível que pareça é a Eletrobras, justamente a empresa que comandou toda a evolução do setor de energia elétrica brasileiro num período onde o Brasil crescia como a China hoje. No período do seu auge, executou projetos que foram admirados no mundo, tal como a usina de Itaipu e seu sistema de transmissão. No seu período, a tarifa era a metade da atual descontada a inflação, mas essa simples informação é raramente divulgada. Pior! Justamente no período onde cresce a importância do kW e diminui o barril de petróleo.

O mais inacreditável é que até o CEPEL, o único centro de pesquisa em eletricidade do país vai ser “aliviado” de funcionários. Não interessa se ele é um especialista na área de transmissão em alta tensão, um expert na área de programação matemática responsável pela política de operação ou se é um pesquisador na área de fotovoltaicas.

Estamos caminhando celeremente no processo de destruição do estado que ainda funciona. Sobrarão o congresso, os ministérios, os palácios, as agências reguladoras ineficientes e os políticos.


Nicola Pamplona

RIO DE JANEIRO

A Eletrobras lançou nesta segunda (26) um plano de demissão consensual, já aderente às normas da reforma trabalhista, para desligar até 3.000 funcionários da holding e de subsidiárias. O plano tem como objetivo economizar R$ 890 milhões por ano.

As demissões estavam previstas no plano de negócios da companhia para o período entre 2018 e 2022 e serão focadas na área administrativa. “A possibilidade de desligamento se dá pela crescente automação adotada nas empresas Eletrobras”, disse a estatal.

Em 2016, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, lançou um plano de cortes de custos que previa a redução do quadro administrativo ao fim da integração dos sistemas de gestão da estatal e suas subsidiárias.

A companhia ofereceu a seus empregados 40% de multa de FGTS e 100% de aviso prévio, além de um complemento de 50% do valor total dos incentivos anteriores. A nova legislação trabalhista estabelece que, em caso de demissão consensual, a empresa pague um mínimo de 20% do FGTS e 50% de aviso prévio.

Der acordo com a Eletrobras, o valor mínimo de indenização no plano de demissões lançado nesta segunda será de R$ 130 mil.

O plano é válido para empregados que tiverem no mínimo 10 anos de vínculo com a empresa ou alguma de suas subsidiárias Eletrobras, Cepel, CGTEE, Chesf, Eletronorte, Amazonas GT, Eletrosul e Furnas.

As distribuidoras estaduais controladas pela estatal estão em processo de venda e ficaram de fora.
“A redução no quadro de pessoal busca um alinhamento dos custos da Eletrobras às tarifas, evitando prejuízos operacionais no futuro”, afirmou a estatal, em nota divulgada nesta segunda.

 

Compartilhe

      1 comentário para “Eletrobras lança plano de demissão consensual para desligar 3.000 – Estadão

    1. José Antonio Feijó de Melo
      27 de Março de 2018 at 9:35

      Pois é Roberto
      Certamente muitos dirão: “Este é o País que Queremos”. Terão seus quinze segundos de aparição na TV e pronto.
      Será que representarão a maioria da população?

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *