Notícias em Destaques


A reserva despenca.

O eixo vertical mostra a energia reservada nos quatro subsistemas (SE/CO, S, N, NE) dividida pela carga total desses mesmos subsistemas em cada mês. Dado de novembro mostra que a energia reservada equivale a 87 % da carga do mês. Círculo vermelho.  Há uma argumentação de que, hoje, não temos tanta dependência dessa gestão de estoque…

Emaranhado de dívidas – Coluna de Miriam Leitão – O GLOBO

Análise do ILUMINA: Ao se ler a coluna da jornalista, além das nossas dívidas, fica a dúvida se há uma crítica, um diagnóstico ou simplesmente uma lista dos problemas que o ILUMINA vem apontando há anos. Gostaríamos de salientar apenas alguns aspectos que, às vezes, ficam no “background”: O setor elétrico brasileiro já é de…

STF derruba limite de responsabilização de hidrelétricas por déficit na geração – O GLOBO

Análise do ILUMINA: Como já tínhamos antecipado, mais uma deficiência da modelagem adotada no sistema elétrico brasileiro que irá despencar no bolso dos consumidores. http://www.ilumina.org.br/bizarrices-eletricas-avaliam-acordo-para-gsf-valor/ Mais do que isso, a certeza de que a justiça não compreende o bizarro mercado competitivo que gera esses absurdos. O gráfico acima mostra que as hidráulicas geraram bem acima…

Energia sem idade – O GLOBO

Análise do ILUMINA: Uma exceção. Após o artigo do meu excelente ex-professor Xisto Vieira Filho. Roberto Pereira D’Araujo https://oglobo.globo.com/opiniao/energia-sem-idade-22187456 POR ADRIANO PIRES / XISTO VIEIRA FILHO No setor elétrico brasileiro existem fatos bastante curiosos ou, como se diz popularmente, está cheio de jabuticabas. Uma delas é o conceito criado de “idade da energia elétrica”. Sim,…

A demolição vem antes – Artigo

Roberto Pereira D’Araujo Hoje, o Brasil desponta como um dos recordistas de corrupção. Estamos perante algo inédito na história mundial pois, não só o nível extrapolou qualquer outro exemplo, mas o crime se espraiou sobre todos os setores. É difícil encontrar exemplos onde áreas tão díspares como energia, saúde e esporte sejam inoculadas com o…

Privatizações discutíveis

Joaquim Francisco de Carvalho*   Nestes últimos meses temos assistido a embates muito enviesados ideologicamente, entre privatistas e estatizantes. A bem da objetividade, coloquemos a questão no contexto da diferença que existe entre os conceitos de espaço privado e espaço público. O espaço privado deve ser ocupado por corporações e empresas industriais, estabelecimentos comerciais, instituições…

Quando a vaca ignora o brejo – Artigo

Por Ronaldo Bicalho (*) No último fim de semana, o Estadão trouxe dois textos que sintetizam a pobreza de ideias que marca o debate atual sobre o setor elétrico brasileiro. A discussão é desanimadora e atinge a profundidade de um pires com água que uma formiguinha atravessa sem molhar os joelhos. O primeiro deles, da…

Perdas de energia custam mais de R$ 8 bi aos consumidores em 2016 – Valor

Análise do Ilumina: As “perdas” por furto, salvo raras e antiéticas exceções, está conectada à confusão das comunidades periféricas das cidades, um problema com rebatimento social. Mas, como a reportagem aponta, isso representa 5,1% de 12,5% de perdas. A bagunça acima é fonte de renda para as distribuidoras que “alugam” seus postes para empresas de…

O ILUMINA mostra informações básicas, mas… raramente divulgadas.

Chega a ser estranho que tenhamos que postar esses dados. Em diversas reportagens onde o ILUMINA é consultado, apesar de sempre citarmos, essas informações são omitidas. Nós também não entendemos a razão. Geração: O Setor elétrico brasileiro, desde a década de 90, vem ampliando a proporção de seus ativos de geração controlada pelo setor privado.…

Indústria perde competitividade com aumento da tarifa de energia – Estado de SP.

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,industria-perde-competitividade-com-aumento-da-tarifa-de-energia,70002105633 Análise do ILUMINA: Em primeiro lugar, gostaríamos de dar os parabéns a jornalista Renée Pereira por ter sido autora da primeira reportagem que explicita a evolução tarifária desde o “marco zero” do atual modelo mercantil em 1995. Por diversas vezes nós tentamos tornar público esse dado básico com outros órgãos da imprensa e nunca…