Última Chance – I

Roberto Pereira D’Araujo

Lista de 35 prioridades pedidas por Bolsonaro a Pacheco e Lira inclui privatização da Eletrobras

https://valor.globo.com/politica/noticia/2021/02/03/lista-de-35-prioridades-pedidas-por-bolsonaro-a-pacheco-e-lira-inclui-privatizacao-da-eletrobras.ghtml

A planilha, obtida pelo Valor, foi elaborada pela Secretaria de Governo da Presidência e entregue pelo chefe do Executivo num encontro com os dois presidentes do Legislativo.

Pauta econômica

Número – Ementa – Onde está

PL 4476/2020 – Lei do Gás – Câmara

PL 3877/2020 – Depósitos Voluntários – Câmara

PL 6726/2016 – Teto Remuneratório – Câmara

PL 3515/2015 – Superendividamento – Câmara

PLP 19/2019 – Autonomia do Banco Central – Câmara

PEC 45/110 – Reforma tributária – Câmara/Senado

PL 2646/2020 – Debêntures de infraestrutura – Câmara

PL 5877/2019 – Privatização da Eletrobras – Câmara

PL 5387/2019 – Marco Legal do Mercado de Câmbio – Senado

PLP 191/2020 – Mineração em terras indígenas – Câmara

PEC 32/2020 – Reforma administrativa – Câmara


Roberto Pereira D’Araujo

Provavelmente estamos às vésperas da privatização da Eletrobrás. Certamente quem lê os textos do Ilumina é contra essa venda. O que é preciso fazer é enviar esses dados para quem é favorável a essa privatização. Essa pode ser a última oportunidade de revelar dados que são escondidos, tanto pelo governo quanto pela maioria da imprensa, lançando pelo menos algumas dúvidas em tantas falsas certezas.

  1. Qual é o cenário mundial a respeito de estatais elétricas?

Países com empresas estatais na área elétrica.

  • França com a EDF,
  • Canadá com suas principais estatais em Quebec e British Columbia.
  • Estados Unidos com mais de 2.000 empresas municipais de distribuição de eletricidade e com as modelares Tennessee Valley Authority e Bonneville Power Administration.
  • Coreia do Sul com sua Korean Energy Power Company.
  • Noruega com a Stattcraft e todas as suas empresas municipais.
  • Suécia com a sua Vattenfall.
  • Dinamarca com a Energynett e a DONG Energy.
  • Nova Zelândia com suas Genesis Energy, Meridian Energy, Mighty River Power, Solid Energy, Transpower New Zealand Limited.
  • Espanha com sua Red Electrica de España.
  • Australia com a Power and Water Corporation.
  • Belgica com a EDF Luminus.
  • China com a State Grid Corporation of China.
  • Hungria com a Paks Nuclear Power Plant.
  • Indonesia com a Perusahaan Listrik Negara.
  • Israel com a Israel Electric Corporation.
  • A Italia com a Enel.
  • O Japão com a TEPCON-Tokyo Eletric Power Holdings Inc.
  • México com a Comisión Federal de Electricidad.
  • Polonia com a Polska Grupa Energetyczna.
  • India com a Coastal Karnataka Power/Ultra Mega Power Projects (UMPP).
  • Russia com a RusHydro /Inter RAO UES.

 

  1. Países líderes na geração de hidroeletricidade.

O eixo azul mostra o consumo total de ENERGIA HIDROELÉTRICA em TWh. Atenção só hidroeletricidade! O eixo secundário em vermelho mostra o PERCENTUAL QUE ESSA ENERGIA HIDROELÉTRICA representa no total de energia elétrica gerado em cada país. Por exemplo, os U.S.A. produzem cerca de 274 TWh/ano, mas isso representa apenas 7% da geração total de energia elétrica americana. Abaixo, fonte de parte dos dados.

https://www.statista.com/statistics/474799/global-hydropower-generation-by-major-country/

Como se vê, se o Brasil privatizar a Eletrobras, será o único a fazê-lo no planeta, tendo essa fonte como a sua mais importante. Mesmo os países que não têm a hidroeletricidade como sua principal fonte, não privatizam essa vantagem.

Brevemente, outras oclusas informações.

  2 comentários para “Última Chance – I

  1. pietro erber
    4 de fevereiro de 2021 at 14:08

    Além dos argumentos apresentados, vale observar que, em muitos casos, não há privatização e sim alienação, pois o novo controlador é uma empresa estatal, só que sediada em outro país.

  2. Nelson
    4 de fevereiro de 2021 at 19:00

    Mesmo diante dessa barbaridade que querem fazer com a nação – repetindo o que fez o vendilhão da pátria-mor, Fernando Henrique Cardoso nos tristes anos tucanos, fiquemos tranquilos, pois o lema desse (des)governo é “Brasil acima de tudo”.

    Dá para imaginarmos o que estriam a fazer se o lema fosse “Brasil no último lugar da fila”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *