Um país doente.

Roberto Pereira D´Araujo

Quando um ministro, um deputado, um senador, o presidente, um tribunal, enfim, a sociedade de uma nação despreza:

  1. O fato de que nenhum país do planeta com o tipo de estrutura hidroelétrica privatiza uma empresa pública como a Eletrobras.
  2. Que o valor estimado para venda está no entorno de 1/10 do valor de empresas que vendem o mesmo produto, o kWh.
  3. Que o modelo mercantil adotado no Brasil tem valores extremamente instáveis, diferentes de outros mercados e, ao usar esses números para avaliar o valor de uma empresa como a Eletrobras, perpetra-se um total absurdo.
  4. Que, consultando os dados oficiais, é possível demonstrar que o setor privado não investiu na expansão da oferta como se imaginou desde a década de 90.
  5. Que, ao oferecer o controle de uma empresa como a Eletrobras, o capital privado se retrai em reais investimentos de expansão da oferta.
  6. Que apenas 8,5% das usinas hidroelétricas privadas foram originadas de investimento privado.
  7. Que a maioria dos “investimentos” privados foram aquisições de usinas prontas.
  8. Que, desde a adoção da privatização e mercantilização o Brasil “termificou” o sistema, onde as térmicas foram multiplicadas por 6, apesar dos subsídios no mercado livre para fontes renováveis.
  9. Que o estatuto da Eletrobras foi desobedecido por todos os governos para obrigar a empresa a corrigir os problemas do modelo, como os exemplos de compra de distribuidoras, redução compulsória de tarifa e sociedades onde a empresa é minoritária.
  10. Que desde 1995, marco zero do modelo privado-mercantil a tarifa média já se elevou acima da inflação em mais de 100% prejudicando os mais pobres.

Nesse caso, quem está gravemente doente é o país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *