A piada que virou a vergonha.

Matriz de bordado BCI0413 brasil vergonha no Elo7 | MERCADO DOS BORDADOS (D90121)

Roberto Pereira D’Araujo (*)

Nós temos a mania de contar piadas de português, onde a graça está focada na suposta ignorância dos nossos descobridores. Hoje, eu peço imensas desculpas pelas anedotas, pois, ignorante mesmo é uma parcela dos brasileiros! E não são os milhões de excluídos! Os mais obtusos são os do topo da pirâmide.

Uma das piadas mais populares era a de um teste de matemática onde o apresentador indagava a soma de dois números para um candidato frente a uma imensa plateia.
O candidato sempre errava e o apresentador, ao tentar desclassificar o sujeito, a plateia berrava;
– Dá uma chance pra ele. Dá uma chance pra ele.
O apresentador ia facilitando e o candidato errando e fazendo a plateia pedir outra chance.
Vendo que a plateia exigia a vitória, o apresentador perguntou:
– 2 + 2?
Ele respondeu de pronto: Quatro!
E, imediatamente, a plateia voltou a berrar:
– Dá uma chance pra ele! Dá uma chance pra ele!

A graça da anedota está na surpresa de que os espectadores também eram inábeis.

Hoje, estamos vendo algo similar no Brasil. Os “candidatos” são nossos políticos, ministros e até personagens de grande importância midiática. Mas, claro, eles não sobem no palco! Falsidades são emitidas sem a presença de um apresentador que conteste a resposta. Apesar de não haver o programa, a plateia da piada existe!

Ricardo Sales, ministro do meio ambiente fala em “passar a boiada” enquanto a mídia está distraída com a pandemia. Ora, isso é algo sorrateiro, enganoso, trapaceiro, que se faz quando ninguém está olhando. Reparem! Não se trata da questão ambiental. Trata-se de achar que, ocupando uma posição pública, ele pode propor uma tramoia!

E o que diriam os apoiadores desse governo, nessa plateia imaginária?

– É isso mesmo! Pode passar a boiada!!

Mesmo sabendo que essa atitude é um crime e, se não sabem, então também desconhecem que 2 + 2 = 4!

O Brasil, apesar de ser um privilegiado no planeta por ser o líder de recursos hídricos e ter todas as fontes renováveis como vento e sol, tem a 2ª tarifa de eletricidade mais cara do planeta segundo a Agência Internacional de Energia que usa o único método válido, a paridade do poder de compra. Apesar dessa vergonha, que deveria ser urgentemente examinada, o Ministro de Minas e Energia propõe que no processo de privatização da Eletrobras, recursos financeiros sejam desviados para reduzir a tarifa de alguns grupos. No hipotético programa, o apresentador diria:

– Mas senhor Bento Albuquerque, essa estratégia não é redução de custos. Ao contrário! Compensa-se com encargos a manutenção dos altos custos e também altos lucros! Tarifas devem reproduzir custos de produção da energia, e, disfarça-las com encargos originados na venda da Eletrobras não resolve o problema.

A plateia gritaria:

– Privatiza tudo, privatiza tudo!!

Mais uma vez duvidam que 2 + 2 = 4!!

O país está passando por uma crise que pode jogar a sociedade numa pobreza só registrada no início do século passado! Estamos voltando a usar lenha para cozinhar!! Apesar do caos, Paulo Guedes diz que o país está numa situação fiscal à beira do abismo onde qualquer gasto extra seria o fim pois devemos 90% do PIB.
Isso significa uma dívida de mais de R$ 7 trilhões!

Mas, se a carga fiscal atual chega a 33% do PIB, essa dívida significa um pouco mais do triplo da receita do governo!
Se Guedes está certo, isso quer dizer que um cidadão não pode se endividar em R$ 12.000 para salvar seu filho porque ele só ganha R$ 4.000! Que solução que o sr. Guedes propõe? Matar o filho?

Imaginem o Japão que deve 230% do PIB! Itália, Portugal, Estados Unidos, Bélgica, França e Canadá têm dívidas maiores.

Resposta errada! Não se trata só de tamanho da dívida, mas sim de planos de desenvolvimento, de credibilidade. Qual é o rumo do país? Agro negócio? Indústria? Infraestrutura? Tecnologia? Turismo? Quem vai definir é o mercado?? Mas ele está esperando o estado!!

Como o candidato repetiria a visão puramente financeira, a plateia diria:

– Dá uma chance pra ele! Dá uma chance para ele!

Ou seja, se há uma plateia burra, ela está no Brasil!

 

 

  4 comentários para “A piada que virou a vergonha.

  1. MITIKO KOMODA
    14 de abril de 2021 at 15:05

    Eletrobras não será privatizada…

  2. Luiz Orlando Belmiro
    14 de abril de 2021 at 21:38

    A maioria permanece nos grilhões, infelizmente, onde palavras nao são interpretadas no seu verdadeiro sentido e a boiada passa.

    Como diz a música do Legião Urbana
    “Que país é esse”

  3. José Antonio Feijó de Melo
    18 de abril de 2021 at 9:00

    Pois é, Roberto. Traduzindo em miúdos, a eventual privatização da Eletrobras, na verdade, não passa de uma velha “piada de português” (ou seria melhor dizer “de brasileiro”?).
    Espero que Mitiko Komoda esteja certa.

  4. João de Paiva Andrade
    4 de maio de 2021 at 11:55

    Assim como ocorreu com a CEDAE, a Eletrobrás já está privatizada. Dizer o contrário é otimismo masoquista, auto-engano. O sujeito que até menos de um mês presidia a empresa, colocado lá pelo cleptocrata, golpista, traidor, vira-latas e entreguista, Michel Temer, representa quais interesses? Por que, colocado pelo “vampirão”, ele foi mantido no cargo pelo governo chefiado pelo bozo-miliciano-pai? Quem ele colocou na área financeira da Eletrobrás? A quem serve essa que preside interinamente a empresa? A quem e a qual setor ela é ligada/submissa e representante? O que o ex-presidente da Eletrobrás fez quando passou pela CPFL? A quem pertence a CPFL depois da passagem dele pela empresa? Os leitores deste portal sabem as respostas de todas essas questões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *